Notícias

 

MENSAGEM DO DIRECTOR REGIONAL DA OMS PARA ÁFRICA, DR. LUIS G. SAMBO, POR OCASIÃO DO DIA MUNDIAL SEM TABACO - 31 DE MAIO DE 2010

 

O consumo de tabaco mata e incapacita milhões de pessoas durante os anos mais produtivos das suas vidas. É também desastroso para os orçamentos familiares, aumenta os custos com os cuidados de saúde e abranda o desenvolvimento económico. A maioria destas repercussões ocorre em países de baixos e médios rendimentos.

O tema do Dia Mundial Sem Tabaco deste ano é “O tabaco e o género, com ênfase na comercialização dirigida às mulheres”. Há indícios de que a venda de tabaco às mulheres está a aumentar e a contribuir ainda mais para os problemas associados à exposição ao fumo passivo.

Mulheres e homens enfrentam diferentes riscos de saúde decorrentes do consumo de tabaco, devido às diferenças sociais e biológicas entre si. As iniquidades do género, a pobreza e as fracas condições económicas inviabilizam os esforços para melhorar a saúde das mulheres.

Na Região Africana, inquéritos recentes revelaram que o consumo de tabaco entre raparigas atingiu níveis comparáveis ao consumo entre rapazes e que o consumo de tabaco noutras formas, para além dos cigarros, está também a aumentar.

A indústria do tabaco lançou campanhas agressivas de comercialização que visam cada vez mais as mulheres e as raparigas, em que o consumo de tabaco é mostrado como sendo feminino e estando na moda, e está a recorrer a medidas subtis para contrariar a opinião crescente do público de que o consumo de tabaco é socialmente inaceitável e não é saudável.

Hoje, no Dia Mundial Sem Tabaco 2010, convido todos os governos a protegerem as mulheres da comercialização e da exposição ao tabaco. Se o fizerem, os governos podem ajudar a reduzir sobremaneira o número de mulheres que são vítimas de ataques cardíacos, AVC, cancros e doenças respiratórias fatais ou incapacitantes. Políticas antitabágicas integrais, estratégias específicas ao género e a plena participação das mulheres, em todos os níveis da elaboração e implementação das políticas, representam intervenções eficazes que podem contrapor as maldosas tentativas da indústria do tabaco para seduzir as mulheres e as raparigas ao consumo.

Lanço um apelo aos decisores políticos para que desenvolvam e apliquem uma proibição total à publicidade, promoção e patrocíno de produtos do tabaco, directo ou indirecto. Deverá também ser imposta e aplicada uma proibição de fumar nos locais de trabalho, restaurantes e outros locais
públicos.

Pela sua parte, a sociedade civil e as organizações não governamentais deverão ajudar a educar as mulheres e as crianças para os perigos que o tabaco representa para elas, para as suas famílias e para os seus nascituros, e ainda sensibilizar os homens sobre os malefícios para a saúde que o fumo passivo apresenta para as pessoas que se encontram perto do fumador, sobretudo para as mulheres e crianças.

O público em geral deve rejeitar todas as formas de patrocíno, publicidade e promoção do tabaco, e fomentar os ambientes sem fumo. As campanhas de comercialização visam as mulheres e o fumo passivo prejudica a sua saúde. Com o vosso apoio, os decisores políticos serão motivados a tomar medidas para proteger a população dos perigos do tabaco.

Gostaria de fazer um apelo especial a todos os homens que fumam, para que não exponham as suas famílias e muitos outros ao fumo passivo. A grande maioria dos fumadores é do sexo masculino. Devem compreender que os seus hábitos tabágicos apresentam riscos consideráveis para a saúde dos outros, sobretudo das mulheres com quem vivem ou trabalham.

Aproveito esta oportunidade para exortar os países que ainda não são Partes da Convenção-Quadro da OMS para a Luta Antitabágica a ratificarem-na ou a aderirem à mesma. O cumprimento eficaz e atempado das disposições da Convenção contribuirão significativamente para reduzir o consumo de tabaco e melhorar a saúde das nossas populações.

Unamos os nossos esforços para proteger as mulheres dos malefícios provocados pelo tabaco, e conseguiremos, assim, reduzir o sofrimento e salvar muitas vidas.

Muito obrigado.